Alimentação

O seu filho não come legumes nem fruta? Saiba como mudar isso!

Redação
publicado há 2 meses
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Uma alimentação equilibrada é essencial em todas as etapas do ciclo de vida. O cuidado com a alimentação começa desde cedo, logo com a alimentação da mãe durante a gravidez. Quando o bebé nasce a amamentação é crucial uma vez que o leite materno é nutricionalmente completo e um alimento natural. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida do lactente, uma vez que apresenta inúmeros benefícios para a criança e para a mãe.

Além da ligação emocional que se estabelece entre mãe e filho durante a amamentação, esta traz várias vantagens como proteção contra infeções gastrointestinais, infeções respiratórias, dermatite atópica, asma, diabetes, entre outras. A partir dos seis meses o aleitamento exclusivo começa a ser insuficiente para suprir as necessidades nutricionais do bebé e a partir dessa idade é necessário iniciar a diversificação alimentar de acordo com o seu desenvolvimento e com as suas necessidades nutricionais para ajustar a sua alimentação à da família. Começa a descoberta de novos alimentos. As crianças têm necessidade elevada de nutrientes e energia de modo que tem de ajustar-se a quantidade de alimentos que vão ingerindo ao longo do dia.

A prevalência de pré-obesidade e obesidade na infância continua a aumentar. Deste modo, é essencial capacitar a criança desde cedo para que possa ter ferramentas que a permitam fazer escolhas alimentares saudáveis. Atuar na prevenção em idade pré-escolar é fundamental para travar esta epidemia.

A alimentação deve ser diversificada e privilegiar os alimentos pouco transformados ou refinados. Muitas crianças ingerem alimentos com elevado teor de açúcar e gordura, tanto que se deve dar especial atenção a estes alimentos para a sua redução. Em contrapartida, uma maior ingestão de legumes e fruta deve ser privilegiada para proporcionar uma alimentação equilibrada.

Como aumentar o consumo de…

LEGUMES:

  • Deve-se iniciar pelos alimentos que a criança mais gosta. Gradualmente ir introduzindo pequenas quantidades de vegetais em conjunto com o peixe ou carne picada. Por exemplo, fazer hambúrgueres com peixe e couve-flor.
  • Fazer mistura de legumes com cores semelhantes. No puré de batata, adicionar couve-flor, uma vez que inicialmente se for muito diferente poderá levar à rejeição. Não deixar pedaços muito salientes, pode ser outra estratégia. Num puré preparar tudo de forma homogénea.
  • Servir os legumes com os seus alimentos preferidos. Fazer um molho de iogurte para apresentar com os legumes pouco cozinhados ou crus.
  • Juntar vegetais a sandes ou wraps, por exemplo: alface, rodelas de pepino, tomate cherry, cenoura em palitos, vai enriquecer nutricionalmente a refeição.
  • Apresentar no prato os legumes de forma apelativa, com diferentes disposições. Utilizar também as ervas aromáticas para os enriquecer. Confecionar os legumes de forma diferente: saltear, assar, não o fazer apenas com a batata, peixe ou carne, mas também com outros alimentos como cenoura, batata-doce, cebola, pimento, brócolos, entre outros.
  • Ao longo do tempo a criança vai experimentando e familiarizando-se com os diferentes vegetais, portanto deve-se gradualmente apresentar outras sugestões: hambúrguer de salmão e brócolos, almôndegas de pescada com molho de tomate, almôndegas de lentilhas e aveia, lasanha ou empadão de peixe e cenoura, bolonhesa de peixe e tomate.

FRUTA:

  • Ter disponível e fácil acesso a fruta. Optar por fruta da época.
  • Apresentar a fruta descascada, fazer espetadas ou expor a fruta de forma apelativa criando desenhos no prato.
  • Apresentar os morangos lavados, as bananas e kiwis cortados às rodelas, as laranjas e tangerinas em gomos.
  • Juntar fruta com iogurte e flocos de aveia.
  • Fazer gelatina de fruta com iogurte e canela.
  • Se existir a possibilidade, poderá ser feita em casa uma pequena horta onde possam cultivar os legumes e fruta, onde as crianças também consigam participar. Desta forma, faz com que percebam a origem dos alimentos e estimula a consumir o que cultivam. É interessante que comam, por exemplo: alface que elas ajudaram a plantar ou ao lanche comam morangos que colheram da horta.
    A alimentação infantil faz-se da conjugação alimentar dos diferentes grupos de alimentos para potenciar um crescimento saudável.

 

Experimente estas receitas!

Almôndegas de lentilhas e aveia

Ingredientes:
150g de lentilhas
50g de aveia
1 Dente de alho
½ Cebola pequena
1 Colher de sopa de azeite
Salsa q.b.
Especiarias q.b.

Modo de preparação: Cozer as lentilhas previamente. Colocar num processador de alimentos as lentilhas já cozidas e escorridas, os flocos de aveia, o dente de alho e a cebola picada. A salsa e as especiarias a gosto. Triturar tudo. Formar pequenas bolinhas e levar ao forno 20 a 30minutos.

Rendimento: 5 almôndegas.

 

Gelatina de fruta

Ingredientes:
4 Maçãs
1 Colher de chá de alga agar-agar
Casca de limão
Pau de canela

Modo de preparação: demolhar previamente o agar-agar durante 15minutos. Cozer as maçãs com pau de canela e casca de limão. Quando a fruta estiver cozida, retirar a casca de limão e o pau de canela. Triturar tudo. Acrescentar o agar-agar, ir mexendo e deixar confecionar mais um pouco para que o agar-agar se dissolva. Voltar a triturar tudo e colocar em taças. Servir com iogurte natural e polvilhar com canela. Pode acrescentar também flocos de aveia.

Rendimento: 2 doses.

 

 

Texto: Inês Silva - Nutricionista na BeHolistic (consultas de nutrição e workshops de alimentação saudável em que são abordados vários temas como: cozinha vegetariana, alimentação infantil, entre outros)
E-mail: isilva2210@onutricionistas.pt
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top