Recém-nascido

Tudo o que precisa de saber sobre a ICTERÍCIA no recém-nascido

Andreia Costinha de Miranda
publicado há 4 meses
0
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

São muitas as crianças que, poucos dias após o nascimento, começam a ficar com o tom de pele amarelado. A isso chama-se icterícia, uma situação explicada pelo nível elevado de bilirrubina no sangue.

Mas o que é afinal a bilirrubina? No site do Hospital da Luz Clínica de Odivelas está explicado que «a bilirrubina é um pigmento que resulta da degradação dos glóbulos vermelhos (células do sangue que transportam oxigénio) e que é metabolizado no fígado. Durante a vida uterina o feto pode produzir mais glóbulos vermelhos do que necessitará depois de nascer. Assim, depois do nascimento, esses glóbulos vermelhos excedentários são destruídos pelo organismo do bebé e, uma vez que a bilirrubina se encontra entre os seus constituintes, é libertada na corrente sanguínea. Quando a concentração de bilirrubina ultrapassa a capacidade de metabolização pelo fígado, o seu nível no sangue aumenta e a partir de determinados níveis dá origem à coloração amarelada da pele e dos olhos do bebé», lê-se.

A icterícia do recém-nascido surge durante a primeira semana de vida e ocorre em cerca de 60 por cento dos bebés de termo e é ainda mais frequente nos bebés prematuros.

O site Crescer conversou com Beatriz Gonçalves, uma mãe que ficou surpreendida quando percebeu que o seu bebé estava ficar com uma cor amarelada. «O Diogo nasceu às 38 semanas. Foi um parto complicado, no qual se teve de recorrer a ventosas e fórceps. Cerca de um dia e meio depois do nascimento, estava a fazer-lhe festinhas no nariz e percebi que quando lhe tocava com mais força, o narizinho ficava com a marca do meu dedo. Depois reparei que o menino estava a ficar meio amarelado», conta ao nosso site a mãe do pequeno Diogo. «As minhas colegas de quarto diziam que era das luzes, mas não era! Só soube que ele estava com icterícia quando foi visto por um pediatra e esse especialista aí me explicou, ainda que de uma forma muito pouco indicada, a questão da bilirrubina», continua.

                                                                                             O berço no qual Diogo esteve ao lado da mãe

 

Quais os procedimentos a ter?

Depois da notícia e da explicação, a mãe teve de acordar de duas em duas horas, obrigatoriamente, para alimentar o menino, que estava a dormir ao seu lado, numa caminha especial: «Veio um berço com umas luzes específicas. Parecia que estava num solário. Ele tinha de estar lá deitado, vendado e só o tirava da caminha para comer, para que pudesse fazer muito xixi, de forma a que os valores melhorassem». Isto porque Diogo foi sujeito a análises diárias, para saber em que estado estavam os valores da icterícia.

Quando num recém-nascido com icterícia se suspeita que os valores de bilirrubina sejam muito elevados, pode justificar-se o seu doseamento no sangue, podendo existir indicação para tratamento com fototerapia em internamento. Foi o que aconteceu com Diogo. Os valores não baixavam e o menino foi transferido para a neonatologia da unidade hospitalar onde estavam.

                                                                             As luzes que ajudam a bilirrubina a desaparecer

O que significam as luzes?

A luz fluorescente da fototerapia facilita a conversão da bilirrubina numa substância menos agressiva e mais fácil de eliminar pelo organismo. O período de tratamento é variável e depende também de outros fatores, como a alimentação e o padrão de dejeções do bebé. «Ele esteve internado quase uma semana. Fui para casa sem ele e, como não havia condições para lá ficar durante a noite, ia para o hospital logo de manhã e regressava a casa à noitinha. Fiquei muito surpreendida com todos os processos pelos quais ele teve de passar. Picavam-no duas vezes por dia para verem os valores e até as necessidades que ele fazia eram pesadas numa balança. Era tudo controlado ao máximo para ter a certeza que os valores estavam a baixar», explicou esta mãe.

E quase uma semana depois, a boa notícia chegou. Os valores tinham baixado e Beatriz podia levar o filho para casa. «Depois disso ele ainda foi examinado passadas umas semanas, para terem a certeza que já estava tudo bem», contou. Um procedimento normal nestes casos em que os valores de bilirrubina sejam muito altos.

Para tirar todas as dúvidas sobre este tema, fale com o seu obstetra.

 

Fonte: Hospital da Luz Clínica de Odivelas

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top