Saúde

O seu filho está a ficar doente: Pode ir à escola?

Redação
publicado há 4 semanas
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Nem sempre é fácil para os pais perceberem em que situações específicas é que a criança deve permanecer em casa quando parece estar a ficar doente. Embora seja fundamental aconselhar-se com o pediatra assistente da criança se os sintomas persistirem, a nível geral, o seu filho deve ficar em casa na presença dos seguintes sinais:

1. Se tiver uma doença contagiosa que possa colocar em risco as outras crianças

A febre é um sinal comum a diversas doenças – e na infância deve-se, muitas vezes, a uma infeção viral. Se a criança tiver uma temperatura axilar igual ou superior a 38ºC não deve ir à escola. Deve beber líquidos em abundância (fracionados em pequenas quantidades), não estar demasiado agasalhada e os pais devem dar-lhe um antipirético (paracetamol) se existir desconforto associado à febre. No caso de os picos de febre surgirem com intervalos inferiores a quatro horas, deve-se alternar o paracetamol com o ibuprofeno.

LEIA TAMBÉM: «O meu filho inventa que está doente para não ir para a escola nova»

Além da febre, outros sintomas e diagnósticos devem levar a evicção escolar: por exemplo, vómitos e diarreia no contexto de infeção; infeções com manchas como a varicela, a estomatite aftosa, a doença mão pé boca ou a herpangina.

2. Se não se sentir bem o suficiente para participar nas atividades escolares

Dores de cabeça, constipação ou dores menstruais podem fazer com a criança/jovem não consiga participar nas aulas e outras atividades escolares como é habitual.

3. Situação que requeira ficar em casa sob vigilância dos pais

Após, por exemplo, uma convulsão ou um traumatismo craniano, situações que implicam vigilância dos pais embora não constituam um risco para os colegas da escola.

LEIA AINDA: Há vários tipos de pais nas reuniões da escola. Saiba qual é o seu!

Sinais de alarme

Perante prostração, gemidos, vómitos, dores de cabeça intensas, lesões cutâneas que não desaparecem (pintinhas), convulsões, alterações do estado de consciência, agitação, irritabilidade ou sonolência, os pais devem recorrer a uma consulta de urgência pediátrica.

Regresso à escola

A nível geral, se a criança já não tiver febre e estiver bem disposta, poderá voltar à escola. No entanto, os pais devem pedir aos educadores/professores para estarem atentos aos sintomas e lhes ligarem se ocorrer um agravamento, para que estes o possam ir buscar à escola.

LEIA MAIS: «Filho, começas hoje na nova escola e o meu coração está partido ao meio»

Atenção!

A criança só deverá tomar antibiótico por indicação do pediatra.

Fonte: CUF

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda