Saúde

Mitos sobre sutiãs que sempre tomou como verdade

Redação
publicado há 3 semanas
0
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

A pergunta inicial que se coloca é simples: será o sutiã o melhor amigo ou maior inimigo de uma mulher? Não há uma resposta certa para esta questão porque a verdade é que há quem não passe sem ele mas também há quem viva confortavelmente com esta peça de lingerie fechada no armário.

Mas mais importante do que a questão de usar ou não esta peça de roupa interior, é de facto desmistificar as verdades e mitos sobre o sutiã. Afinal o que é verdade e o que não é?

1 – Usar sutiã desde pequena «incentiva» o crescimento dos seios?

Cada pessoa tem a sua própria genética logo o rápido ou lento processo de desenvolvimento dos seios nada é influenciado pelo uso de sutiãs.

2 – Não usar sutiã prejudica em alguma coisa os seios?

Para as mulheres, que estão tão familiarizadas com a gravidade, isso parece ser muito verdadeiro, mas não é. Não usar um sutiã não vai deixar os seios feios e não causa flacidez ou algo do género.

3 – Dormir com sutiã deixa os seios mais firmes. É algo que não se deve fazer?

A médica e professora, Deborah Axelrod, observou que dormir com sutiã não deixa os seios mais firmes nem traz qualquer outro benefício especial. O doutor Carlos Burnett, cirurgião plástico em Nova Jersey, EUA, deixa claro que dormir com sutiã também não magoa os seios. Pode é trazer algum incómodo e desconforto.

4 – O sutiã deve ser apertado em que gancho? No mais largo ou no mais apertado?

Com o tempo de uso, o sutiã tende a alargar, nesse momento será necessário usar ganchos mais apertados. Assim, o ideal é comprar um sutiã que assente perfeitamente quando está encaixado no primeiro par de ganchos, ou seja, no mais largo.

5 – Sutiã com arame pode causar cancro?

Esta afirmação é falsa e surgiu através de um mito (divulgado em 1990) baseado na informação de que o sutiã prejudica a circulação do sistema linfático e acumula toxinas nos tecidos corporais da região. Até hoje, não houve nenhuma investigação científica que suportasse esta teoria.

6 – Deve o sutiã durar um ano ou mais?

Quando usado corretamente e recebendo os devidos cuidados, um sutiã tende a durar oito meses. Depois disso, ele torna-se mais largo e não oferece a sustentação necessária. Por isso, é importante ter vários sutiãs e ir variando o uso entre as peças.

7 – Os tamanhos de sutiã variam entre marcas?

Provavelmente não consegue usar o mesmo tamanho de sutiã quando compara marcas diferentes, certo? Isto acontece porque nem todas as marcas têm coerência de tamanhos, pois cada uma possui seu próprio ‘modelo de ajuste’. Além disso, pode haver variação de tamanho entre os modelos destas peças, mesmo quando são da mesma marca.

8 – Os sutiãs deixam os seios flácidos?

Um estudo francês, divulgado há um tempo, apontava que os sutiãs não traziam nenhum benefício aos seios e poderiam até contribuir para a flacidez da região. Mas, houve muitos problemas com esse estudo e a comunidade científica acabou por provar exactamente o contrário.

9 – Quanto mais claro, menos visível é o sutiã, principalmente ao usar roupas claras

Usar um sutiã branco sob uma roupa branca deixa a lingerie muito mais visível. O correto para disfarçar a peça é usar uma cor próxima do tom da pele, e por isso, sendo que a cor varia de mulher para mulher.

10 – Sutiãs devem ser lavados uma vez por semana
A sujidade e a oleosidade da pele podem prejudicar a elasticidade do sutiã por isso, deve lavá-lo o mais rápido possível.

11 – É normal usar o mesmo sutiã dois dias seguidos ou mais

Os especialistas recomendam a troca diária da peça, visto que o uso sistemático da mesma pode prejudicar a elasticidade e diminuir consideravelmente sua durabilidade.

12 – Existe um tamanho médio de sutiã

Pesquisas afirmam que é impossível determinar um tamanho médio de sutiã, justamente porque a modelagem e o material influenciam no tamanho. É como as jeans: podem assentar perfeitamente no seu corpo mas ficarem péssimas no da sua amiga.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top