Gravidez

Gravidez: Tudo o que precisa de saber para viajar em segurança

Redação
publicado há 4 meses
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

As grávidas devem ou não viajar de avião? O site da TAP elaborou um texto para esclarecer todas as dúvidas e o site Crescer dá a conhecer essas dicas a todas as leitoras que tencionem viajar por esta companhia.

Até quando pode viajar?

– Até às 36 semanas ou até quatro semanas antes da data prevista do parto para uma gravidez sem complicações;

– Até às 32 semanas – Grávidas de gémeos, trigémeos, etc., para uma gravidez sem complicações.

Em ambos os casos, as futuras mães devem fazer-se acompanhar por declaração médica – a partir das 28 semanas – atestando que a sua gravidez não tem complicações e o tempo de gestação.

Neste documento o médico deve também atestar que a gravidez não a impede de viajar de avião.

Leia também: Viajar com menores: Conheça os documentos necessários

 

É necessária autorização prévia do médico TAP, nas seguintes situações:

– De risco e alto-risco;
– Com complicações;
– Com mais de 36 semanas;
– De gémeos, trigémeos com mais de 32 semanas;
– Existência de dúvidas sobre o tempo de gestação e sobre a data prevista do parto;
– Com previsão de complicações no parto;
– Risco de aborto ou aborto recente.

O impresso Medical Information for Fitness to Travel – MEDIF (PDF, 0.1MB, PT) deve ser preenchido pelo médico assistente da passageira e, neste caso, enviado à TAP.

Depois de um médico da TAP analisar este documento, a passageira é informada se pode viajar em segurança e em que condições.

Conselhos para antes do voo

– Deslocar-se atempadamente para o aeroporto para realizar todos os procedimentos de embarque e deslocações de forma tranquila;
– Solicitar um lugar junto ao corredor para ser mais fácil a ida aos sanitários e para pequenos passeios, em particular nas viagens mais longas.

Leia ainda: Estudo revela: Viajar com os filhos torna-os melhores alunos!
Conselhos durante o voo

– O uso de cinto de segurança é obrigatório e deve ser colocado por baixo do abdómen na região pélvica de forma a não comprimir o útero;
– É desaconselhada a ingestão, prévia ou durante o voo, de bebidas gaseificadas e leguminosas que agravam a distensão dos gases a nível dos intestinos, que pode causar incómodo durante o voo;
– O ambiente de cabine é mais seco que em terra pelo que a grávida deve ingerir água frequentemente durante a viagem;
– Para reduzir o risco de trombose venosa, em particular em viagens com duração superior a 3 horas, a grávida deve fazer exercícios no lugar mobilizando os membros inferiores;
– Não é recomendável viajar nos 7 dias após o parto. O mesmo aplica-se a recém-nascidos.

Depois do voo

– Se, durante o seu voo, passar por mais de 3 fusos horários tente adaptar o organismo ao ritmo local, fazendo as refeições à hora do destino, expondo-se à luz solar e fazendo exercício moderado como pequenas caminhadas. Assim, o relógio interno poderá sintonizar-se mais rapidamente;

– Os medicamentos para o jet-lag são desaconselhados na gravidez.

 

Atenção: Todas estas dicas não substituem uma consulta com o médico especialista pelo qual é acompanhada.

 

Texto: TAP

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda