Saúde

O que é a doença celíaca e que cuidados devem ter os pais?

Redação
publicado há 1 ano
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

A doença celíaca é uma doença autoimune do intestino, causada por uma sensibilidade permanente ao glúten em indivíduos geneticamente suscetíveis. O glúten diz respeito a um conjunto de proteínas vegetais que conferem capacidade de absorção de água, viscosidade e elasticidade às farinhas que as contêm. As proteínas do glúten são ricas em prolinas e glutaminas, as quais são deficientemente digeridas ao nível do trato gastrointestinal, sendo a gliadina a principal componente tóxica para indivíduos suscetíveis. O glúten existe no trigo, centeio, cevada e aveia.

Interação de fatores

O desenvolvimento da doença depende de uma interação de fatores genéticos, imunológicos e ambientais. Na Europa, a sua prevalência varia entre 0,2 a 1,2 por cento e, em Portugal, a prevalência da doença celíaca é desconhecida, existe apenas um estudo efetuado numa população de adolescentes de Braga no qual a prevalência foi de um caso num universo de 134.

Reação ao glúten

A ingestão de glúten em indivíduos geneticamente predispostos à doença desencadeia uma reação imune que vai causar uma inflamação crónica na mucosa e submucosa do intestino delgado, com consequente atrofia das vilosidades intestinais e repercussões na absorção dos vários nutrientes, como o ferro, ácido fólico, cálcio e vitaminas lipossolúveis.

Várias formas de doença celíaca

A doença celíaca classifica-se em forma: clássica, atípica, silenciosa, latente ou potencial, consoante a presença de sintomas, anticorpos específicos, estudo genético e as caraterísticas das biópsias.

Manifestações clínicas

Variam consideravelmente de acordo com a idade e a quantidade de glúten ingerido na dieta. Assim, nas crianças, a forma clássica da doença celíaca apresenta-se com sintomas gastrointestinais que têm início entre os seis meses e os dois anos após a introdução do glúten na alimentação. Os sintomas mais frequentes são: diarreia prolongada (mais de três semanas), desconforto abdominal, vómitos, irritabilidade, falta de apetite, má progressão de peso, atraso de crescimento, obstipação. O abdómen proeminente e as nádegas aplanadas completam o aspeto característico destes doentes. Quando o diagnóstico não é efetuado atempadamente podem verificar-se situações de malnutrição.

Crianças em idade escolar

No caso das crianças em idade escolar e adolescentes são frequentes as formas clínicas, as manifestações digestivas podem estar ausentes ou ocupar um segundo plano. Por vezes, a primeira manifestação da doença surge sob a forma de obstipação difícil de responder ao tratamento habitual, associada ou não a dor abdominal tipo cólica. Outras formas de apresentação são a baixa estatura inexplicada, o atraso pubertário, anemia por falta de ferro e, sobretudo, resistente à terapêutica com ferro e as alterações do esmalte da dentição secundária.

Doenças associadas à doença celíaca

Existem também uma série de doenças que estão associadas à doença celíaca. Podem surgir antes do diagnóstico da doença celíaca, manifestar-se em simultâneo ou depois do diagnóstico. Os doentes que as manifestam são considerados grupos de risco, uma vez que a sua associação à doença celíaca é muito maior do que a esperada. São os casos de doentes com dermatite herpetiforme, Síndrome de Down, Diabetes tipo I, Défice de IgA, Tiroidite Autoimune e outras doenças autoimunes. Também as pessoas que tenham familiares de 1º grau de parentesco com doença celíaca devem ser considerados de risco, pelo que devem ser rastreados para eventual diagnóstico de DC.

Avaliação diagnóstica

Nas crianças e adolescentes com sinais e sintomas sugestivos de doença celíaca, a avaliação diagnóstica deve incluir a realização de exames laboratoriais (análises de sangue) e, consoante os resultados, a realização de biopsia intestinal. As análises de sangue devem incluir a determinação do anticorpo antitransglutaminase (Ac AT) e a imunoglobulina IgA. Se o Ac AT for positivo, o doente deve ser referenciado à consulta de gastrenterologia, para complementação diagnóstica. No caso de crianças assintomáticas mas pertencentes a grupos de risco para doença celíaca, devem inicialmente também efetuar a determinação de HLA Dq2 e Dq8 (marcadores genéticos específicos).

Outros exames de diagnóstico

O Anticorpo anti endomísio (Ac AE) também pode ser utilizado para orientar o diagnóstico, mas deve ser efetuado em laboratórios com muita experiência, uma vez que a técnica de leitura depende do observador. A biópsia intestinal é efetuada através de endoscopia digestiva alta. Nesse exame, que habitualmente é feito sob sedação, são colhidos vários fragmentos do intestino delgado, que depois são orientados para o anatomopatologista, que observa ao microscópio e caracteriza a atrofia vilositária. É fundamental não retirar o glúten da alimentação antes do diagnóstico definitivo da doença celíaca.

Tratamento da doença celíaca

O único tratamento cientificamente provado para a doença celíaca consiste em efetuar uma dieta isenta de glúten para toda a vida. Isto é, não poder ingerir os alimentos que contenham farinha de cevada, centeio, aveia e trigo. Este tratamento só deve ser iniciado após a confirmação do diagnóstico e que, na maioria dos casos, exige a realização da biópsia intestinal. Há evidência que pequenas quantidades de glúten na dieta não causam quaisquer sintomas imediatos no doente, mas lesam a mucosa intestinal, aumentando o risco de desenvolver cancro no tubo digestivo (carcinomas faríngeos, esofágicos, adenocarcinoma do intestino delgado e Linfomas de Hodgkin), outras doenças autoimunes, alterações do metabolismo ósseo, problemas relacionados com a fertilização, alterações neurológicas e psiquiátricas. Razões mais do que suficientes para que a dieta seja cumprida de forma muito rigorosa.

A importância de cumprir a dieta

Felizmente, o intestino tem uma grande capacidade de regeneração pelo que, se a dieta for cumprida, vai permitir o desaparecimento das manifestações clínicas assim como a normalização da mucosa intestinal. A dieta sem glúten é a única forma de assegurar o desenvolvimento e crescimento adequado da criança e adolescente e a única forma de os proteger das complicações da doença celíaca na idade adulta.

Alerta aos pais!

Diarreia crónica, prisão de ventre, vómitos, irritabilidade, distensão e dor abdominal, perda de peso e desnutrição são os principais sintomas da doença. No caso das crianças também pode causar atraso no crescimento.

Em primeiro lugar, antes de fazer qualquer alteração à alimentação do seu filho, é importante que a doença celíaca seja diagnosticada por um médico. Até aos seis meses os bebés devem ser alimentados exclusivamente com o leite materno. Depois disso, há que ter muito cuidado na introdução dos alimentos.

Substitua tudo o que tiver glúten. Como qualquer pessoa que sofra com doença celíaca, a criança não pode consumir nada que contenha trigo, centeio, cevada e aveia (pães, massas e biscoitos estão proibidos). É fundamental ler os rótulos dos alimentos.

Receitas para celíacos?

Se quiser ideias para cozinhar visite o site oficial Cozinhar Sem Stress, onde tem uma categoria especialmente dedicada a pessoas celíacas.

 

 

 

Fonte: Site oficial da CUF

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda