Saúde

Reportagem especial: Quando o vírus do herpes deixa uma bebé saudável com paralisia cerebral

Filipa Rosa
publicado há 3 meses
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Sandra Domingos foi mãe aos 30 anos de uma menina saudável e sem qualquer problema de saúde. Com apenas oito meses, Miriam sofreu uma encefalite herpética, depois de estar em contacto com o vírus do herpes.  A mãe não esquece o momento em que soube do diagnóstico e ainda hoje se emociona a falar dos últimos 12 anos.

Para acompanhar a filha a tempo inteiro, Sandra, que vive em São Brás de Alportel, abdicou da sua profissão de educadora de crianças e nunca mais voltou ao ativo. A ajuda dos pais tem sido fundamental, até porque Sandra divorciou-se quando Miriam tinha apenas um ano de idade. «Pode doer um bocadinho o que eu vou dizer, mas, para o pai da Miriam, é como se ela não existisse…»

Não perca a nossa reportagem especial:

LEIA TAMBÉM: Paralisia Cerebral: Abdicar da própria vida em prol das filhas gémeas

O perigo do vírus do herpes

Segundo o relatório do Programa de Vigilância Nacional da Paralisia Cerebral de 2016, as encefalites herpéticas representam 25 por cento das infeções do Sistema Nervoso central causadoras de Paralisia Cerebral.

O site Crescer falou com Eulália Calado, neuropediatra no Centro da Criança e do Adolesceste do Hospital CUF Descobertas. «Os vírus neurotrópicos são, de facto, muitos agressivos e destrutivos. Há muitas pessoas que têm herpes labial e há que ter muito cuidado, principalmente com crianças. Os vírus são piores que as bactérias, mas também não podemos pôr as crianças numa redoma… As crianças também têm de ter defesas. Não podemos viver atormentados com o que eles podem apanhar. Temos de encontrar um equilíbrio», refere a médica.

«Sobretudo no primeiro ano de vida, as crianças ainda não são imunocompetentes. Estão protegidas mais ou menos até aos seis meses pelos anticorpos maternos, mas depois dos seis meses até um ano, as crianças estão vulneráveis», explica Eulália Calado, alertando para os cuidados que a sociedade tem de ter. «As pessoas quando estão doentes não podem visitar bebés pequenos. No entanto, os pais não podem viver atormentados… Os miúdos têm de ter uma vida saudável e cheia de experiência, mas dentro das normas de higiene.»

LEIA AINDA: 10 regras de ouro para proteger um recém-nascido

Apelo de mãe à sociedade

Enquanto mãe, Sandra Domingos faz questão de deixar um apelo à sociedade. «As pessoas deviam ter mais cuidado. Um bebé é muito fofinho, mas chega olhar e apreciar. Talvez uma festa na cabeça não faça mal, mas nada mais que isso. Não toquem nas mãos, por favor. Não deem beijinho, não toquem nos bebés! Eles são muito indefesos e têm fraca imunidade. Levam as mãos a toda a hora e não sabemos o que pode acontecer… Mesmo sem ser o herpes, há imensos vírus… É o único apelo que eu passo: tenham muito cuidado», apela emocionada, enquanto olha para a filha.

Foi criada uma página de apoio a Miriam. Visite Miriam, a pequena lutadora e acompanhe a sua luta diária deste anjo sem asas.

Veja algumas imagens de Miriam na galeria:

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda