Alimentação

Receitas Macrobióticas: Viva a vida em pleno

Redação
publicado há 3 meses
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

A relação entre o que comemos e as nossas emoções é algo inseparável para a filosofia Macrobiótica e para a Chef Sónia Jordão. Atreva-se a preparar e provar estas duas receitas saudáveis e deliciosas. (Vídeo)

Sónia Jordão sempre foi uma apaixonada pela culinária, mas foi na cozinha macrobiótica que descobriu o verdadeiro caminho. Atualmente é professora no Instituto Macrobiótico de Portugal.

Como tudo começou…

Tudo começou com uma dor de estômago que foi superada com a ajuda do Shiatsu, terapia que também podemos encontrar no Instituto e a que Sónia recorreu.

Shiatsu e Macrobiótica são dois conceitos que casam na perfeição, tal como a Chef partilha: «Rapidamente me entusiasmei com as aulas de culinária e dos cursos breves. Foi aí que teve início a minha admiração e dedicação a esta filosofia. Percebi que há uma ligação direta em relação ao que comemos e às nossas emoções e forma de estar na vida».

Mas há mais… «Viver a vida em pleno. Efetivamente, proporcionar ao corpo o máximo de rendimento com o menor esforço. Viver em sintonia com a Natureza e com cada estação. É sentirmo-nos mais próximos da Natureza e dos animais, respeitando-os, pois somos mais um. É aceitar as coisas como são compreendendo o todo. É acreditar que fazendo o melhor cada dia, só pode correr bem. Que tudo acontece com algum propósito, que nos permitirá crescer e evoluir como pessoas. É uma tomada de consciência que nos permite mudar de dentro para fora. Tornamo-nos responsáveis pela nossa saúde e pela nossa vida.» É assim que a Chef Sónia Jordão desmistifica a única, mas tão complexa palavra, Macrobiótica.

Leia a entrevista completa à Chef.

Site Crescer – O que mudou na sua vida em relação à saúde, corpo e mente?

Chef Sónia Jordão – Muita coisa mudou. Acho que mais do que imagino. Passei a acreditar mais em mim e nas minhas capacidades, nos meus sonhos. Cresci e a minha vibração mudou. Passamos a atrair a mesma vibração e isso facilita o nosso caminho. Despedi-me do emprego que tinha há mais de 13 anos na área seguradora para passar a fazer o que realmente me realiza. Transmitir este conhecimento tão precioso e ajudar a mudar também a vida de outras pessoas. É o que me move com tanta paixão. Como asmática que sou, nunca tive o sistema imunitário tão fortalecido como agora. Bastou deixar de comer açúcar e laticínios e adicionar mais folhas verdes às minhas refeições para a minha condição melhorar. Estou também mais consciente do meu corpo, porque sinto que está sempre a comunicar comigo. Só necessitamos escutá-lo e saber interpretá-lo.

Para si, qual é o maior erro que os portugueses cometem diariamente com a alimentação?

A ideia que tenho é que a grande maioria das pessoas julgam que têm uma alimentação minimamente saudável porque de vez em quando comem saladas, sopas e fruta. Porém, existem uma série de ingredientes modernos que são práticos de preparar e muito saborosos mas que só nos prejudicam e nos fazem ficar dependentes de medicação química. Os portugueses, como em outros países e culturas, estão muito habituados a comida com muita proteína animal, incluindo os laticínios e imenso açúcar.

Trabalha no Instituto Macrobiótico de Portugal e também dá formações/ workshops. O que podemos encontrar no Instituto? Existem formações para todas as pessoas? A quem se destinam?

No Instituto Macrobiótico de Portugal temos cursos de Macrobiótica, culinária, Shiatsu, Feng Shui e Chi Kung, desde workshops de alguma horas, a um ou mais dias. Há cursos anuais mas também há cursos breves de cinco aulas. Conseguimos ter logo uma boa noção dos princípios básicos de uma alimentação macrobiótica equilibrada. A Macrobiótica é um modo de vida que ainda suscita muitas dúvidas.

Há proibições e obrigações?

Uma das coisas que me apaixonou na macrobiótica é de não haver ingredientes proibidos. Há, sim, muita consciência sobre as escolhas diárias. Tudo o que comemos conta, porém também não é bom sermos fundamentalistas, como em nada na nossa vida. Aceitar as diferenças e compreendê-las ajuda-nos a equilibrar.

Há muitas opções de alimentos? É fácil cozinhar receitas totalmente macrobióticas?

Uma das grandes vantagens na alimentação macrobiótica é a grande variedade de ingredientes. Muitos deles já quase desaparecidos, como alguns cereais integrais e algumas algas, vegetais e sementes. Não é difícil cozinhar este tipo de comida sobretudo se já gostarem de cozinhar. Quanto mais aprendermos e praticarmos, mais fácil se tornará a cada dia. Isso aconteceu comigo.

Qual o seu conselho para os portugueses?

Sugeria que, mesmo não sendo definitivo, começassem pouco a pouco a procurar experimentar e replicar algumas receitas deste tipo. Uma alimentação macrobiótica padrão está composta por cereais integrais como o arroz integral (o mais utilizado nesta filosofia); o millet, a cevada, a espelta (tudo integral e em grão); proteína vegetal que pode variar entre as leguminosas (feijão, grão, lentilhas) e os derivados de soja como o tão conhecido tofu, tempeh, natto. O seitan como alternativa, que neste caso será proteína de glúten e que pode bem parecer um bife ou um pedaço de carne. As verduras levemente escaldadas, as algas marinhas cozinhadas juntamente com legumes e os picles caseiros são também fundamentais num prato de comida macrobiótica.
Claro que teremos sempre que ajustar a cada idade, sexo e condição. O que é certo é que rapidamente se começa a sentir alterações, mudanças no corpo e nas emoções. Por que não experimentar?

 

Veja o vídeo da receita Trança de Legumes, em baixo.

Veja o vídeo da sobremesa Trufas, em baixo

 

 

Texto: Joana Caçador

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda