Educação

«Mãe, por que é que nunca posso fazer nada do que eu quero?»

Redação
publicado há 3 meses
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

“Respostas simples às perguntas difíceis dos nossos filhos”. Este é o nome do livro de Bárbara Ramos Dias que promete ser uma ajuda crucial na educação de crianças e adolescentes.

A psicóloga garante que muitos desafios nascem na falta de comunicação entre pais e filhos ou entre alunos e professores. Aprender a ouvi-los, a perceber os seus sentimentos e inquietações é essencial para melhorar esta relação.

«Por que é que nunca posso fazer nada do que eu quero?» é uma das questões dos miúdos que pertencem ao capítulo «Por que não fazem aquilo que eu mando?», uma pergunta que muitos pais fazem.

Leia aqui a resposta:

O que querem saber: Por que é que o mundo está contra eles.

Esta é a época em que o mundo é um lugar estranho e em que ninguém, a não ser os nossos amigos, nos compreende. A fase em que os pais são uma seca e não percebem nada do que dizemos e que, além disso, não sabem nada do que dizem porque a vida é nossa.

Os nossos pequenitos, que agora começam a crescer e a ver desafios em tudo e em todos, experimentam uma sensação de desajuste. Como se a pele que vinham a vestir começasse a ficar-lhes pequena e demasiado apertada. Querem crescer, tomar as rédeas da sua vida. Ficam mais distantes e menos disponíveis, criando um mundo muito próprio deles.

Rodeiam-se de amigos, música e de atividades que gostam, de forma compulsiva, e na semana a seguir querem desistir. Entram na altura dos extremos, do oito ou 80, deixando pouco espaço para conselhos parentais.

Por outro lado, também é uma fase de profunda transformação para os pais. Estes começam a experienciar um sentimento de perda e de negligência por parte dos filhos. Sentem que são postos de parte, que não protegem o suficiente, e quanto maior o afastamento do filho, maior a sensação de perda. A tendência natural é enrijecer o sistema de regras e aumento das cobranças, seja de assertividade de conduta, seja de atenção.

Lembre-se sempre que o seu filho não deixou de gostar de si, apenas está ocupado a encontrar-se e posicionar-se no mundo!

Quanto mais invadir o seu espaço, maior afastamento vai ser criado entre vocês. É a fase das conversas difíceis. Dobre o amor e a compreensão, mas não se esqueça dos seus próprios limites.

Possível Resposta

Querido, tens todo o tempo do mundo para fazeres as coisas que queres. Garanto-te que quando chegares a essa fase já vais querer fazer outras coisas, melhores e mais divertidas. É natural pensares que tudo é mais interessante do que o convívio com o pai e a mãe, mas quero que saibas que se precisares de alguma coisa, seja o que for, nós vamos estar aqui para ti, sempre.

Nós não estamos contra ti, apenas não toleramos faltas de respeito ou que nos trates de forma ofensiva. Vou perceber se me explicares que tiveste um dia mau, mas não percebo que batas com a porta do teu quarto.

Sempre que sentires que vais passar os limites, pensa que vais magoar as pessoas que mais te amam no mundo, e controla-te.

Respondendo à tua pergunta, é verdade, nem sempre vais poder fazer tudo o queres, mas farás cada vez mais coisas, desde que nos mostres que tens responsabilidade para com os teus deveres e obrigações.

Para receber temos de dar também. Se cumprires regras irás ter consequências boas, como mais liberdade, caso contrário, continuas a sentir o «mundo a desabar na tua cabeça». Liberdade com responsabilidade!

LEIA A ENTREVISTA À AUTORA: Eis o “manual” que faltava para ajudar os pais na educação dos filhos

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda