Histórias Online

«Já incentivei o meu filho a bater em colegas»

Histórias Online
publicado há 1 mês
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Eu sei que é um tema polémico, mas decidi escrever sobre ele à mesma.

O bullying é um dos assuntos do momento e para todos os que têm crianças pequenas é, sem dúvida, um medo gigante que bata à porta das nossas famílias.

Em certa parte, acho que hoje em dia é um exagero tudo o que anda à volta deste tema. No meu tempo também existia, claro. Mas nunca fomos expostos da maneira que hoje em dia os miúdos são. Ninguém lhes pode gritar que já é bullying.

Leia também: «A dor profunda que o bullying causa»

Se gosto que gritem com o meu filho? Não! Óbvio que não! Mas… e se for necessário? Ele não é nenhum santo! Não faço dele um santinho que não “parte um prato”, porque não é.

Há uns tempos chegou a casa a dizer que havia dois ou três colegas que lhe deram uns “calduços” e que o chamavam de “merdas”.

Tentei perceber o que se passava. Crianças de nove anos a dizerem isto umas às outras, não é deveras normal. Tudo teve a ver com um jogo que não lhes foi emprestado.

Ao que parece, foram dias a fio que o L. não emprestou o que eles pediam e então decidiram dar-lhe algumas chamadas de atenção, batendo-lhe na cabeça e empurrando-o.

Leia ainda: Bullying: Assistimos a uma ação de sensibilização conduzida por agentes do Programa Escola Segura da PSP

A minha resposta a isto? «Faz igual! Mostra que não tens medo. Levanta a cabeça e pergunta qual é o problema deles. Se eles te empurrarem, empurras também. Se eles te baterem, levantas a mão para lhes fazeres o mesmo.»

Ele não percebeu por que é que o pai estava a dizer estas coisas, mas quando foi para a escola e algo do género voltou a acontecer, reagiu da maneira que lhe disse e as coisas mudaram. Óbvio que lhe expliquei que a violência não leva a lado nenhum e todos esses “bla bla bla” que temos de ter com os nossos filhos.

Não sou a favor da violência, mas também não sou a favor dos queixinhas. Sou a favor de se resolverem as coisas de igual para igual. Se as coisas piorarem, aí sim passamos ao passo seguinte.

No meu tempo resolvia-se assim e não é que com o meu filho também resultou?

Texto: Luís Oliveira

 

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda