Saúde

Diabetes em crianças: O que os Pais devem transmitir nas escolas

Redação
publicado há 2 meses
0
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O site CUF explica a par e passo tudo sobre a diabetes e dá a conhecer a informação que todos os Pais de crianças diabéticas devem ler e transmitir aos professores e outros funcionários da escola.

 

A diabetes tipo 1 (insulinodependente) é a forma de diabetes mais frequente na criança e no adolescente. Apesar de ser uma doença crónica, o diabético pode e deve ter uma atividade física e intelectual como qualquer outro jovem da sua idade.

O diabético na escola pode e deve:

 

– Participar em todas as atividades escolares;
– Ter uma alimentação igual à dos seus colegas, com exceção dos alimentos açucarados. No entanto, deve respeitar o horário das refeições e fazer sempre uma pequena refeição a meio da manhã;
– Nas crianças mais pequenas, a refeição deve ser supervisionada para garantir a ingestão das quantidades adequadas;
– As crianças diabéticas devem praticar a mesma atividade física que os colegas, ingerir um suplemento alimentar antes de começarem a fazer exercício físico e, se necessário, comer a meio ou no final da atividade.

Durante o período escolar podem ocorrer pequenas descompensações para as quais é necessário estar alerta:

1 – Hipoglicemia

É a situação em que o valor da glicemia está baixo (< 70 mg/dl).

Instala-se rapidamente e necessita de intervenção urgente. Pode resultar do atraso ou falta de uma refeição, da prática de exercício físico mais intenso sem se ter comido, de vómitos ou recusa alimentar ou de erro na dose ou horário da insulina.

Sintomas possíveis

– Expressão parada, raciocínio lento
– Mudança brusca de humor (birra, agressividade, choro…)
– Dores de cabeça ou de estômago
– Fome súbita
– Visão turva
– Suores
– Palidez
– Tremores na língua ou nos lábios
– Falta de forças
– Em casos graves, a hipoglicemia pode mesmo levar a desmaio, convulsões e coma

O que fazer?

Colocar imediatamente um pacote de açúcar (ou dissolvido em água) na boca da criança, repetindo uma ou mais vezes até a criança voltar ao normal. De seguida, deve comer pão, bolachas ou a refeição.

Após a hipoglicemia estar resolvida, a criança/jovem pode retomar a sua atividade normal. O professor deverá ter sempre açúcar num local acessível.

Atenção!

– Se o diabético desmaiar, não lhe dê nada pela boca. Se a escola tiver um médico ou enfermeiro, este deve ser chamado de imediato. Deverá ser administrada uma injeção de glucagon, por via subcutânea ou intramuscular, pela pessoa mais indicada que esteja presente;

– Se não for possível resolver a situação na escola, deve-se recorrer ao serviço médico mais próximo;

– Quando ocorrerem hipoglicemias na escola, mesmo que pouco graves, deve sempre dar-se conhecimento aos pais.

2 – Hiperglicemia

Situação em que a glicemia está demasiado alta e que se instala mais lentamente. O papel do professor, neste caso, passa principalmente por informar os pais.

Sintomas mais frequentes

– Sede mais intensa;
– Vontade de urinar mais frequente que o habitual;
– Cansaço ou fadiga fáceis;
– O aluno poderá, nestes casos, ter de sair da sala de aula.

 

Não se esqueça!
Em caso de dúvida, os Pais devem ser contactados. Uma criança diabética que não esteja bem não deve ser deixada sozinha.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda