Alimentação

Passar a alimentação ovo-lacto vegetariana e macrobiótica aos filhos

Andreia Costinha de Miranda
publicado há 4 semanas
0
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Ana Gomes é uma das influencers mais conhecidas do País e autora do site A Melhor Amiga da Barbie.

Ana Gomes – A Melhor Amiga da Barbie

 

É comum ver partilhas de Ana – tanto no site como nas redes sociais – sobre nutrição. E por isso mesmo, o site Crescer conversou com a jovem, que nos deu a conhecer um pouco mais sobre a sua alimentação ovo-lacto vegetariana . «Uma pessoa ovo-lacto vegetariana é alguém que segue um regime alimentar que exclui carne e peixe, mas no entanto come derivados (queijo, iogurtes…) e ovos», começa por nos explicar.

Ana não come carne desde os 13 anos. No entanto, em alguns momentos comeu «peixe e marisco». «Há um ano e meio que sou ovo-lacto vegetariana, sendo que na maioria dos dias não como sequer alimentos de origem animal», continua.

Dar a mesma alimentação aos filhos

 

Ana Gomes é mãe de Vitória, de apenas um ano. Desde que engravidou que a bloguer sempre teve na ideia de que, quando a sua menina nascesse, comeria os mesmos alimentos da mãe. E assim tem sido. «Quando está comigo come praticamente as mesmas coisas que eu, mas na escolinha come peixe, ou quando temos aqueles conhecidos que arranjam peixe acabado de pescar. Para mim a origem dos alimentos é muito importante. Não complico… mas quando posso escolher, escolho sempre alimentos de origem biológica ou criados livremente», revela.

 

 

Para muitos especialistas, as questões da alimentação “fora do convencional” são ainda tabu, mas neste caso, «o pediatra está alinhado» com Ana e o marido. «Este facto é muito importante para reforçar a minha ligação de confiança com o pediatra. Fez as introduções alimentares sempre um mês antes das outras crianças ( no caso do ovo, peixe e leguminosas )», dá a conhecer.

 

Como funciona a alimentação em eventos sociais?

 

Se em casa existe um controlo no que os nossos filhos comem, na escola e em eventos sociais – como são exemplo festas de aniversário – por vezes não conseguimos estar sempre alerta. Ainda assim, Ana garante que, até então, «tem corrido tudo bem». «É engraçado porque a alimentação dela levanta sempre alguma curiosidade na escola, o que eu considero muito positivo! Também não lhe dou alimentos com açúcares refinados e evitamos ao máximo produtos embalados. Estou sempre a partilhar receitas e sugestões», conta.

E nas festas de família existe sempre um enorme respeito por parte de todos. «Ela é pequenina, a família respeita e tenta encontrar as melhores soluções. Nisso temos bastante sorte. Confesso que é uma barreira que pode ser dura. Os hábitos alimentares estão muito enraizados e nem sempre há disponibilidade para tentarem entender outras opiniões. A festa de aniversário da Vitória tinha uma mesa de doces e salgados vegan e foi um sucesso! Como ela é pequenina ainda conseguimos controlar o que come nos aniversários dos amiguinhos. Com o tempo logo se vê, mas não pode ser um motivo de stress para nenhuma de nós», finaliza.

 

Leia também: Veganismo: «É mais do que uma dieta! É um estilo de vida!»

 

Os adeptos da filosofia macrobiótica

António tem 38 anos e é adepto da Filosofia Macrobiótica há cinco anos. «Para mim faz sentido porque sinto o efeito no corpo. Sei que quando faço refeições de origem vegetal, me sinto melhor, com mais energia e mais feliz», garante o profissional de audiovisual.

É pai de Teresa, de três anos e também a menina tem uma alimentação “inspirada” na do pai. «Não considero que a alimentação da minha filha seja assim tão diferente. Se por exemplo, a um bitoque retirar o bife e colocar feijão vermelho, não é assim tão diferente. E ela come de tudo. Em casa, temos duas abordagens à alimentação: a macrobiótica e a ‘convencional’. E é através da aceitação e respeito que as coisas funcionam bem. É assim, nessa base, que as refeições em casa se tornaram maioritariamente de origem vegetal», conta-nos.

No que diz respeito à opinião do pediatra de Teresa, António garante que é «uma pessoa culta e apesar de não ser vegetariano/vegan ou algo semelhante, aceita isso como uma opção dos pais e tem isso em conta. No início houve uma preocupação com o leite, mas longe vai essa questão», explica.

Um almoço feito pelo António
«Preocupa-me mais a quantidade de açúcar presente nos alimentos»

 

Em dias de festa, António não se preocupa muito com a questão da alimentação “não convencional”. «Dias de festa são dias de festa. Sinceramente, preocupa-me mais a quantidade de açúcar presente nos alimentos», realça.

E no que diz respeito à escola onde a menina anda… «A Maria está num jardim escola onde a alimentação é ovo-lacto vegetariana. De um ponto de vista, comem todos diferente», adianta.

 

Um projeto inovador

 

António é o criador de um canal de divulgação de pessoas, teorias e práticas que promovem a longevidade, o bem-estar e a felicidade. Chama-se Vida Macro e é um sucesso nas redes sociais.

 

António

 

O que se pode ver neste projeto? «Desde regimes alimentares a práticas potenciadoras de longevidade, passando por aquelas que ajudam a reequilibrar», lê-se no site.

 

Fique a par deste projeto nos seguintes locais:

Site

Instagram

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda