Recém-nascido

A carta emocionante de uma mãe de prematuro

Redação
publicado há 3 semanas
10
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O Dia da Prematuridade assinala-se a 17 de novembro.

Há uma carta que circula na Internet há vários anos e que não deixa ninguém indiferente.

De autor desconhecido, este texto sobre o filho prematuro, é dedicado a todas as progenitoras que passaram pelo drama da prematuridade com os seus rebentos.

Leia o texto, em baixo.

 

«Ser mãe de prematuro é ser apanhada pela surpresa e o despreparo.

É não segurar o seu filho nos braços quando nasce. É olhar pela incubadora. É sentir a sua cria pela ponta dos dedos esterilizados em álcool gel.

Ser mãe de prematuro é ser viciada no monitor. E ver o seu filho a respirar por aparelhos com sensores e medir o que há de vida na sua criança. São os benditos 88 por cento de saturação.

É tirar leite na máquina. É ver o leite entrar pela sonda. E torcer para a quantidade aumentar todo dia.

É ter paranóia com o processo ganha/perde de peso diário. Num dia ganha 10 gramas e no seguinte perde 15. Isso é um desespero.

É incomodar-se com as aspirações e manobras, mas saber que é um mal necessário. É ver picadas e mais picadas para exames e não respirar enquanto o resultado não aparece. É chegar ao hospital com o estômago às cambalhotas com medo do que vai ouvir do pediatra.

Para ser mãe de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) tem que virar pedinte e mendigar todo dia uma boa notícia. Mesmo que seja a bendita palavrinha “estável” – significa que não melhorou, mas também não piorou. E não se esquecer de agradecer o cocó e o xixi de cada dia. Sinal de que não tem infeção.

Mãe de prematuro também tem rotinas. UTI-casa-UTI de segunda a segunda. Sem descanso. E como é possível descansar?

Para ser mãe de prematuro é preciso muita fé. Porque na hora do desespero és tu e Deus. É joelhos no chão da casa de banho da UTI para pedir milagres, ou pedir que acabe o sofrimento. Haja fé. E só com fé.

É ser a Rainha da Impotência, por ver o sofrimento e a dor do seu bebé e simplesmente não poder fazer nada. Só confiar.

É falar com o seu filho através da incubadora. E ter lágrimas a escorrer pelo rosto todo dia por não poder sentir o seu cheirinho e beijar os seus cabelos.

Mas, ser mãe de prematuro é superação, é ter uma história para contar. É perceber um monte de doenças que ninguém nem imagina que existe.

É contar o tempo de um jeito diferente. Idade cronológica e idade corrigida. É difícil de entender.

É sair da UTI com festa e palmas. E deixar por lá amigos eternos e preciosos.

Ser mãe de prematuro é ter medo do vento, da bronquiolite, do inverno e do hospital.

Toda a mãe é um ser guerreiro por natureza. Mas a mãe de prematuro precisa ser guerreira em dobro. E isso difere-nos e ao mesmo tempo iguala-nos.

Lutadoras, perseverantes, resilientes, frágeis a ponto de desabar a qualquer momento, mas com uma força absurda. Uma força que talvez venha de um útero vazio antes do tempo.

Assim são as mães dos bebés que nascem antes…»

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda