Gravidez

Benefícios da acupuntura no pré e pós-parto

Redação
publicado há 3 semanas
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Leia o artigo de opinião de Artur Morais, Director Clínico das Clínicas Artur Morais.

A acupuntura desenvolveu, ao longo dos milhares de anos que tem de existência, um conjunto de técnicas terapêuticas com grande eficácia para a melhoria da saúde e bem-estar da mulher, incluindo técnicas específicas para o acompanhamento de gravidez e do pós-parto.

A especificidade da gravidez e da amamentação, com todas as limitações na utilização de certos medicamentos, permite à acupuntura, mais uma vez, demonstrar a sua importância na prática clínica moderna, dando resposta a um conjunto de patologias características da gravidez, sem qualquer toxicidade (seja para a mãe, seja para o bebé), pois não implica a injeção de qualquer substância (química ou natural) no corpo da mulher mas sim a estimulação mecânica de pontos específicos do organismo.

Leia também: 6 benefícios da acupuntura aplicada às crianças

Nos últimos anos, tem-se verificado em Portugal um crescimento na procura da acupuntura no tratamento e acompanhamento de certas patologias da gravidez e do pós-parto. Este crescimento deve-se naturalmente aos bons resultados obtidos mas também ao maior conhecimento que os profissionais de saúde e a população em geral tem das indicações e benefícios da acupuntura nesta fase tão especial da vida de uma mulher.

Utilizando técnicas seguras, a acupuntura conquistou o seu lugar na equipa multidisciplinar que acompanha a mulher grávida, não substituindo ninguém mas complementando a oferta terapêutica disponível para aumentar o bem-estar físico e emocional da paciente.

A acupuntura na gravidez

A acupuntura pode ser realizada durante todo o período da gravidez, sendo que o motivo da consulta varia ao longo das várias fases da gravidez:

– no primeiro trimestre, as causas mais frequentes de consulta são náuseas, vómitos, astenia (cansaço) e ansiedade (sobretudo nos casais que realizaram tratamentos de fertilidade ou com antecedentes de aborto espontâneo);

– no 2.º trimestre, predominam os problemas circulatórios (varizes, edema nos tornozelos e pés), as alterações intestinais (obstipação, prisão de ventre), contrações (com ameaça de parto prematuro) e a ansiedade;

– no 3.º trimestre, os principais motivos de consulta são a dor músculo-esquelética (incluindo ciática, dor lombar, dor pélvica, dor sacroilíaca, canal cárpico), perturbações do sono (insónia, despertar noturno), alterações gástricas (refluxo gástrico, acidez no estômago), problemas circulatórios (edema com sensação de pernas pesadas), astenia (tanto física como mental), ansiedade e, previsivelmente, a preparação para o parto.

A todas estas situações clínicas, a acupuntura dá uma resposta terapêutica bastante satisfatória, com a segurança e a garantia de não ter qualquer toxicidade para a mãe ou efeito teratogénico para o bebé.

A acupuntura no pré-parto

Na etapa final da gravidez, uma das indicações importantes da acupuntura é a apresentação pélvica do bebé. Em 3 a 5 por cento dos casos, não ocorre o clássico “virar do bebé” no interior do útero fazendo com que este se apresente com a cabeça para cima e as nádegas para baixo, contrariando a posição mais favorável ao parto vaginal: cabeça para baixo, encaixada na pélvis.

Quando a apresentação pélvica do bebé é confirmada (normalmente entre a 32.ª e 34.ª semana), pode recorrer-se à acupuntura para inverter esta posição, passando de uma apresentação pélvica para uma apresentação cefálica. A acupuntura dispõe de várias técnicas para esta situação, sendo que a estimulação do ponto Zhiyin (localizado no 5.º dedo do pé) é uma das mais utilizadas.

Leia ainda: Quando o bebé não dá a volta… não entre em pânico!

Ter em atenção que o mesmo ponto, estimulado de uma forma diferente, é um dos mais utilizados para promover o parto (no caso da gravidez ter atingido ou ultrapassado a 40.ª semana). Fica assim demonstrada a importância de um profundo conhecimento das diferentes técnicas de acupuntura para que estas técnicas, aparentemente simples, sejam praticadas de uma forma segura e com bom resultado terapêutico.

Outra das indicações da acupuntura na etapa final da gravidez é a preparação para o parto. Regra geral, esta preparação inicia-se entre a 34.ª e a 36.ª semana, tendo como objetivo preparar o períneo para uma passagem mais fácil do bebé (reduzindo a necessidade de episiotomia), controlar a ansiedade associada à aproximação do parto (sobretudo numa primeira gravidez) e melhorar a eficácia das contrações (reduzindo a duração do processo de expulsão e, consequentemente, o cansaço da mulher após o parto).

A acupuntura no pós-parto

Após o parto, a acupuntura continua a ter indicação no acompanhamento das mães. As principais indicações no pós-parto são todos os problemas ligados à amamentação (tanto insuficiência de lactação como dor e tensão mamária), hemorróidas, edema e retenção de líquidos, cicatrização de episiotomias ou de cesarianas (prevenindo fibroses e aderências cicatriciais), fadiga e depressão pós-parto.

Não pode deixar de ler: Hemorróidas na gravidez e no pós-parto: A causa, os sintomas e a prevenção

De realçar a ação da acupunctura na prevenção e tratamento da depressão pós-parto. Esta síndrome depressiva, tantas vezes negligenciada, é responsável por um grande sofrimento, muitas vezes incompreendido pela própria paciente que não entende o porquê de uma das fases mais felizes da sua vida ser dominada por uma tristeza prolongada, com choro fácil, evoluindo facilmente para uma baixa auto-estima e perda de confiança que se reflete num desinteresse pelo bebé ou numa ansiedade exagerada pelo seu estado de saúde.

As alterações hormonais, as modificações físicas no corpo da mulher e as mudanças nas rotinas da família não são alheias a este quadro clínico, sobretudo num primeiro filho onde tudo é intenso, novo e desconhecido, potenciando a labilidade do humor. Ao estimular os pontos Shen, o acupuntor contribui para a regularização do Jing psíquico da paciente, isto é, para a regularização da resposta emocional da paciente aos vários estímulos, permitindo-lhe viver em pleno toda a experiência da maternidade.

Tenha atenção: Depressão pós-parto? Procure ajuda!

Outra área de grande procura após o parto é o emagrecimento e a perda de gordura localizada. Ser mãe não significa necessariamente ter de abdicar da boa forma física e a acupuntura pode ser um aliado poderoso na perda do peso ganho durante a gravidez, bem como na recuperação da silhueta corporal. Esta recuperação da silhueta corporal não se limita aos benefícios estéticos pois contribui decisivamente para a melhoria geral da mulher, tonificando o seu corpo (reduzindo os níveis de cansaço) e melhorando a sua auto-estima (e consequentemente o risco de depressão pós-parto).

Dicas para uso doméstico

Os pontos de acupuntura também podem ser estimulados através de uma pressão digital – designada por acupressão. Não tendo a eficácia da estimulação através de uma agulha de acupuntura, a acupressão pode ser utilizada em casa, pela própria paciente ou um membro da sua família, constituindo uma alternativa simples e acessível para o alívio de quadros clínicos ligeiros.

Seguem-se alguns exemplos:

– no 1.º trimestre, pressionar continuamente com a polpa do polegar o ponto Neiguan (localizado no antebraço) pode reduzir as náuseas e vómitos característicos desta fase da gravidez;

– no 2.º trimestre, pressionar continuamente com a polpa dos polegares o ponto Yinlingquan (localizado na perna) pode reduzir o edema e a sensação de pernas pesadas que começam a desenvolver-se no 2.º trimestre;

– no 3.º trimestre, pressionar continuamente com a polpa dos polegares o ponto Weizhong (localizado na região posterior do joelho) alivia a dor e cansaço lombar tão frequente na etapa final da gravidez; durante o trabalho de parto, pressionar continuamente com a polpa do polegar o ponto Hegu (localizado na mão) reduz a duração do trabalho de parto;

– no pós-parto, pressionar os pontos Shenshu e Zhishi (localizados na região lombar) acelera o processo de recuperação pós-parto, reduzindo a fadiga e prevenindo a depressão pós-parto. A técnica consiste em estar deitada de costas e colocar as mãos fechadas na região lombar, deixando que seja o peso do corpo a fazer a pressão sobre as mãos.

Conclusão

A gravidez e o pós-parto são, por motivos óbvios, períodos da vida da mulher onde o recurso a medicamentos deverá ser limitado. Essa limitação reduz as opções terapêuticas disponíveis para o tratamento de um conjunto alargado de patologias que, tanto pela frequência com que ocorrem, como pelo sofrimento que causam, são motivo de inquietação para quem procura uma resposta clínica.

A acupuntura, seja pela qualidade dos seus resultados clínicos, seja pela segurança da sua utilização, é uma excelente opção terapêutica para o tratamento deste tipo de patologias, podendo ser integrada em qualquer equipa multidisciplinar que acompanha a mulher.

Nos dias de hoje, o acompanhamento da mulher durante a gravidez e após o parto envolve mais do que um profissional de saúde, exigindo um trabalho multidisciplinar onde o acupunctor pode perfeitamente ser integrado e desempenhar um papel de grande relevância para a qualidade de vida da futura mãe, permitindo-lhe desfrutar de uma das etapas mais importantes da sua vida: a maternidade.

Texto: Artur Morais; Fotos: Paulo Calado

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda