Histórias Online

Abordar a morte com as crianças: «Ela está triste, chora e pergunta-me: “Porquê?”»

Histórias Online
publicado há 6 meses
0
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Todos passamos por uma primeira perda na vida… a perda de um ente querido. No meu caso, o primeiro foi meu avô materno, e alguns anos depois, a minha avó materna (os meus avós paternos faleceram antes de eu nascer).

É sempre difícil entender que nunca mais ouviremos aquela voz familiar, ou sentiremos o calor daquele abraço tão querido. Lidar com perdas tão significativas é muito doloroso.

Leia também: «Como ajudo o meu filho a fazer o luto de alguém que já partiu?»

Porém, no dia em que nós nos tornamos mães e presenciamos a dor e o inconformismo da primeira perda pela qual o nosso filho está a passar, sentimos o grande peso da impotência deles e pequenez diante dos mistérios da vida e da morte.

Hoje perdemos uma pessoa da família, uma pessoa que sempre esteve presente em todos os momentos das nossas vidas. Esta é a primeira perda de uma pessoa próxima para minha filha Babi, de 11 anos, numa fase em que ela tem noção do que é a morte (perdeu a bisavó muito pequenina).

Ela está triste, chora e pergunta-me: «Porquê?». Uma frase tão curta que comporta milhares de respostas. E nós temos que explicar que a vida é um ciclo. E que quando esse ciclo termina, morremos. Simples e complexo assim.

Mas ela continua a questionar-me com seus “porquês” inconformados. Não há resposta certa. Não há resposta coerente para os mistérios da morte.

Leia ainda: «O meu filho tem quatro anos e só fala sobre MORTE!»

Dói muito sentir a dor da minha filha. Mas ela tem que passar por isto, pois também faz parte do mundo de “gente grande” em que ela está prestes a entrar. É tão mais fácil explicar para a minha pequena de dois anos que «A Dedé virou estrelinha…» É lindo, é poético e é verdadeiro também.

O facto é que perder alguém deixa cicatrizes na alma. E essas cicatrizes fazem e farão parte do amadurecimento da minha mini- mulherzinha.

Vamos então, filha amada, passar por isso juntas algumas vezes ao longo desse ciclo. Vem aqui, dá-me um abraço e vamos chorar essa tristeza juntas. Isso irá tornar-nos mais unidas e mais fortes.


Texto: Marcella Bisetto, mãe, advogada e escritora apaixonada

Instagram

@mami_aos_43

@una_mama_de_brasil

Facebook

Mami aos 43

Una Mamá de Brasil

Blogue

www.mamiaos43.com.br

Autora do livro (disponível nas lojas Amazon, em versão digital, no mundo inteiro)

Siga a Crescer no Instagram

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Artigos relacionados

Últimas

Top
Botão calendário

Agenda

Consultar agenda